Follow by Email

quinta-feira, 19 de julho de 2018


Em Setembro, no Porto

SEMINÁRIO: 

O Trabalho Digno e a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável


Para já levantamos a ponta do véu: a EAPN Portugal e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) estão a organizar uma conferência com temas atualíssimos sobre o trabalho digno e a agenda para o desenvolvimento sustentável que visa, entre outros objetivos, debater a promoção do emprego com a garantia dos direitos do trabalho, a proteção social e o diálogo social. A par do desenvolvimento das empresas, estes são os quatro pilares da agenda da OIT para o trabalho digno, sendo a igualdade de género um tema transversal. Mas o programa, conta com muito mais temas e outros tantos especialistas. 

A Agenda do Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030) será escrutinada à luz de todos os parâmetros que se relacionam com o tema, nomeadamente com o oitavo Objetivo do Desenvolvimento Sustentável (ODS) que nos remete para a promoção do desenvolvimento económico sustentável e inclusivo, o emprego pleno e produtivo e o trabalho digno para todos. Mas outros objetivos estão diretamente relacionados com o combate à pobreza e à promoção de uma economia inclusiva.

Em 2015 a adoção dos ODS por mais de 150 líderes mundiais em sede da ONU, definem a erradicação da pobreza em todas as suas formas e em todos os lugares. A Agenda 2030 identifica os pontos fundamentais para se construir um instrumento ao serviço dos estados para “promover o desenvolvimento económico sustentado, inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo e o trabalho digno para todos”. As três dimensões do desenvolvimento sustentável encontram-se consignadas na Agenda 2030, tendo em conta a economia, a sociedade e o ambiente. De acordo com o Secretário-geral das Nações Unidas este é um desafio que advém do facto de “esta ser a geração que pela primeira vez na história se revela capaz de erradicar a pobreza em todo o mundo sendo, contudo, a última geração que tem oportunidade de salvar o planeta”. Para a OIT a adoção da Agenda 2030 é um importante desafio para os próximos 15 anos. No âmbito da comemoração do seu centenário, em 2019, estão previstas várias atividades das quais destacamos a iniciativa para a Erradicação da Pobreza e as suas sinergias com outras ações na persecução dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

Por outro lado, a Agenda para o Trabalho Digno, apresentada pela OIT há quase duas décadas, tem vindo a ganhar crescente atenção tanto no seio do Sistema das Nações Unidas, bem como junto de muitos países, assumindo-se como estratégia de desenvolvimento universal. Esta, acompanha o modo como, atualmente, as sociedades se veem confrontadas com desafios de crescimento económico sustentável e inclusivo, onde o número de trabalhadores pobres é significativo. Também os índices de desemprego jovem são preocupantes e a precariedade laboral é um tema central nas questões do trabalho. 

Neste contexto, urge promover uma reflexão ampla sobre as questões da dignificação do trabalho, da melhoria das condições de vida dos trabalhadores mais pobres, de remunerações mais equitativas, proteção social adequada para as famílias e os trabalhadores, igualdade de oportunidades e tratamento entre homens e mulheres. O Trabalho Digno é uma questão igualmente fundamental para a EAPN Portugal e a sua promoção deveria estar no centro de todas as discussões sobre a questão da pobreza e da exclusão social, uma vez que desempenha um papel fundamental nos esforços de redução dos números da pobreza e promove um desenvolvimento equitativo, inclusivo e sustentável.

+ INFO:
Júlio Paiva
Departamento de Desenvolvimento e Formação
julio.paiva@eapn.pt 
EAPN Portugal / Rede Europeia Anti-Pobreza 
Rua de Costa Cabral, 2368
4200 - 218 Porto
Tel. 00351 225420806 Fax. 00351 225403250
www.eapn.pt

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Dia Internacional de Nelson Mandela


"O Dia Internacional de Nelson Mandela (Nelson Mandela Internacional Day) é celebrado anualmente em 18 de julho.
Esta data celebra e homenageia a vida e o legado de um dos líderes mais corajosos e admiráveis do mundo!
Nelson Mandela lutou pela construção de uma vida melhor para o seu povo, garantindo a igualdade social, política e econômica para todos os negros que viviam na África do Sul durante o regime do Apartheid.

Dia de Mandela, como também é conhecido, foi criado pela Organização das Nações Unidas – ONU, em novembro de 2009, através de aprovação em Assembleia Geral.
A partir de então, todo dia 18 de julho – data do aniversário de Nelson Mandela – celebra-se a proteção dos direitos humanos, a igualdade entre as raças e etnias, a resolução dos conflitos entre povos e a integridade da humanidade.
Mandela Day é uma iniciativa da Fundação Mandela (Mandela Foundation) e outros grupos de apoio aos direitos humanos.

Ações

Nelson Mandela dedicou 67 anos da sua vida na luta pela paz na humanidade e pelos direitos humanos, portanto, nesta data, todos os indivíduos são convidados a dedicar67 minutos do seu dia para ajudar as pessoas que mais precisam, em homenagem ao líder sul-africano.
As pessoas também são convidadas a compartilhar a mensagem de solidariedade de Nelson Mandela através das redes sociais, com o uso da hashtag #mandeladay.
Após passar vários anos preso, Nelson Mandela foi eleito o primeiro presidente da África do Sul e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, pela sua luta contra o Apartheid.
Mandela morreu em 5 de dezembro de 2013, aos 95 anos de idade.
Para participar das ações promovidas pela Fundação Mandela, acesse o site do Mandela Day.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

AÇÃO DE FORMAÇÃO, ÉVORA

+ info:
Maria José Guerreiro
Técnica do Núcleo Distrital de Évora
EAPN Portugal /Rede Europeia Anti-Pobreza
Urbanização Vila Lusitano, Rua Frei José Maria Évora, n.º 25
7000-244 Évora
Tel.: +00351 266731141

terça-feira, 10 de julho de 2018

Projeto "Entre Gerações", Castelo Branco



Projeto IPDJ "Entre Gerações", com a participação do CCLC  de Castelo Branco

Atividade no Lar Major Rato

13 de julho
Atividade no Centro Social Padres Redentoristas
16 de julho
Atividade entre as crianças do Centro Social Padres Redentoristas e os idosos do Lar Major Rato
17 de julho
Atividade no Centro Social do Salgueiro do Campo
23 de julho
Atividade entre as crianças do Centro Social Padres Redentoristas e os idosos do Centro Social do Salgueiro do Campo
24 de julho

















+ INFO:
Paula Montez
EAPN Portugal/ Rede Europeia Anti - Pobreza
Técnica do Núcleo Distrital de Castelo Branco
Biblioteca Municipal de Castelo Branco  - 2º Andar
Campo Mártires da Patria (antigo Quartel da Devesa)
6000 - 000 Castelo Branco
Tel. 272 328 333 Fax. 272 328 334 Tlm.965 918 476


segunda-feira, 9 de julho de 2018

ACONTECEU NO NÚCLEO DISTRITAL DE VILA REAL




"O CLDS 3G de Vila Real (promovido pela Cáritas Diocesana de Vila Real), em parceria com a EAPN Portugal, Núcleo Distrital de Vila Real, levou a cabo no passado dia 6 de julho, uma Feira de Emprego no Regia Douro Park, em Vila Real.

Com apresentações em pitch de formandos/as, que estiveram presentes na sessão de capacitação dinamizada pela formadora Núria Mendoza (nos dias 18 e 19 de junho), seguiu-se sessões de speedrecruitment com a presença de empresas locais e nacionais.

Esta iniciativa surgiu da necessidade de articular as expetativas do mundo empresarial com as necessidades locais/regionais seguindo a metodologia do projeto Click de Saída desenvolvido pela EAPN Portugal e IEFP desde 2014, a nível nacional. O balanço final deste iniciativa e da metodologia utilizada foi bastante positivo tendo sido elogiada por todos os participantes desta feira. Um forte agradecimento a todos/as os que contribuíram para o desenvolvimento desta ação que permitiu criar pontes para o impacto." Catarina Oliveira



 + info:

Catarina Oliveira
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti – Pobreza
Técnica do Núcleo Distrital de Vila Real
Rua Dr. Francisco Sales da Costa Lobo, lote 5, -1 rc/esquerdo 3 B
5000-260 Vila Real
T: +00351 259322579 F: +00351 259322001

"Como mobilizar empresas para projetos sociais"


Objetivos do Workshop:
Capacitar os diferentes dirigentes associativos e líderes locais na mobilização de recursos, nomeadamente através do relacionamento com empresas;
Facilitar a multiplicidade de financiamentos das associações locais através do apoio das empresas a projetos; Sensibilizar as associações para a importância dos processos de qualidade.

O GRACE (Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial - associação sem fins lucrativos exclusivamente dedicada à promoção da Responsabilidade Corporativa e do Voluntariado Empresarial) desenvolveu a partir de 2008 uma parceria com o Programa K’CIDADE (da Fundação Aga Khan) para o território da Alta de Lisboa, no âmbito de um CLDS (Contrato Local de Desenvolvimento Social), com o intuito de contribuir para a capacitação da sociedade civil, nomeadamente das associações de base local e dos grupos informais, apoiando-as na aproximação das empresas para os seus projetos e ações de intervenção na comunidade.

Baixo este contexto, em 2010 nasce a ideia de iniciar uma formação sobre "Como mobilizar empresas para projetos sociais", com o objetivo de desmistificar a relação entre associações e empresas e salientar a importância de saber apresentar uma proposta de parceria estratégica com empresas onde ambas as partes têm benefícios na sua colaboração.
Desde aí, diversas ações de formação têm tido lugar, em diversos pontos do país, procurando capacitar as Associações de Base Local para desenvolver parcerias estratégicas com Empresas a longo-prazo, de forma sustentável.
+ info:
Ricardina B. Dias
Técnica do Núcleo Distrital de Santarém
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza
santarem@eapn.pt
Rua Prior do Crato, nº 2 ,
2005-364 Santarém
Telefone: 00351 243306279;
www.eapn.pt

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Social Protection for All! How can the Social Pillar and SDGs build stronger welfare states? Policy Conference EAPN Europe, conta com Cidália Tomé Barriga


Social Protection for All! How can the Social Pillar and SDGs build stronger welfare states?
Policy Conference EAPN Europe - Brussels, 5th July 2018
É já amanhã que esta conferência promovida pela EAPN acontece. Entre a representação portuguesa está Cidália Tomé Barriga cuja voz se fará ouvir para deixar a seguinte mensagem:

"A proteção social em Portugal é muito importante na vida de quem vive com dificuldades, seja porque se está desempregado, ou porque mesmo que trabalhe o salário é tão baixo que mesmo assim é insuficiente para as necessidades básicas de um agregado familiar. Quem vive com salários deste gênero sem qualquer outro tipo rendimento, faz obrigatoriamente parte de um grupo vulnerável em risco alto, de pobreza. Nestes casos basta que um elemento do casal fique desempregado ou doente para que tudo se complique e tenhamos que recorrer aos apoios sociais. Os salários são muito baixos face ao custo de vida o que faz com que mesmo a trabalhar me encontre em sérias dificuldades para garantir os pagamentos das despesas mensais, renda de casa que é praticamente um ordenado, luz, água, gás, alimentação, conseguir pôr na mesa refeições em quantidade suficiente para alimentar a família o mês inteiro, no meu caso somos 4 torna tudo mais complicado. A proteção social ainda que longe da perfeição, tem-se tornado uma parte cada vez mais importante na vida de todos, mais ainda na vida dos mais pobres. Quando há um deslize, uma alteração na economia, uma crise como a que tivemos recentemente, as pessoas mais fragilizadas os mais pobres contam essencialmente com a proteção social do estado, ou de outra entidade de apoio social e esta é a única forma de sobreviver em tempos de maior dificuldade. Eu senti isto na pele quando eu e o meu marido ficámos desempregados com três crianças a cargo, tive que recorrer ao apoio social mais precisamente ao rendimento mínimo, não era suficiente para as necessidades que tínhamos na altura, de maneira nenhuma, mas foi o que nos permitiu suprir as necessidades mais básicas, tais como a alimentação. Neste momento estando os dois a trabalhar, os salários são tão baixos que continuamos a precisar de proteção social no acesso à saúde, educação e a habitação.
Por isso é devemos lutar no sentido de existir proteção social adequada, acessível a todos e todas os cidadãos/cidadãs. E um dos caminhos para que isso aconteça passa por se definir e implementar uma Estratégia Europeia de Luta contra a Pobreza e a Exclusão Social. A nível nacional, nós, EAPN Portugal, temos dado passos na construção de uma Estratégia Nacional, mas sabemos que a existir uma Estratégia, esta não deve estar alheada do contexto europeu. A pobreza é um problema europeu e mundial. Por isso é que os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e o Pilar Europeu dos Direitos Sociais são também tão importantes para o combate a este flagelo. É agora necessário dar o passo seguinte, e construir os alicerces para uma Estratégia para sua Erradicação."
+ info: www.eapn.eu

terça-feira, 3 de julho de 2018

EAPN - Recomendações Específicas para cada País



A EAPN apresenta as principais mensagens e recomendações dos seus membros de uma avaliação detalhada das CSR’s (Country Specific Recommentadions - Recomendações Específicas para cada País), em termos da sua contribuição para o combate à pobreza, à exclusão e às desigualdades.

Em maio, a Comissão Europeia adotou as CSRs de 2018 e publicou uma Comunicação. O Pilar Europeu dos Direitos Sociais é claramente visível, destacando os principais "desafios sociais". Já os resultados para os direitos sociais não são tão claros. A Comunicação apresenta sobretudo propostas relacionadas com as três prioridades reiteradas na Análise Anual do Crescimento, promovendo um "triângulo virtuoso" de incentivo ao investimento, prosseguindo reformas estruturais e uma política orçamental "responsável" - embora com a possibilidade de maior flexibilidade em torno do investimento e menos austeridade para reduzir défices públicos / dívida. No entanto, a implementação nem sempre é fácil de ver nas próprias CSRs.

Não é claramente referido como foi tido em conta o conjunto de princípios do Pilar social ou do «painel de avaliação social» (social scoreboard), nem a relação com a atual Estratégia Europa 2020, em especial com o objetivo fixado para reduzir o número de pessoas em risco de pobreza de pelo menos 20 milhões até 2020. Na pág. 8, a Comissão apela à audácia para “preservar as reformas nas pensões e na saúde”, que são essencialmente cortes sociais, mas não faz as mesmas exigências para o combate à pobreza.
Juntamente com propostas detalhadas nas áreas de macroeconomia, pobreza e desigualdade, emprego e educação, foram apresentadas pelos membros da EAPN as seguintes mensagens chave:

1.       A Pobreza e a desigualdade carecem de visibilidade e de uma abordagem consistente, incluindo uma efetiva estratégia integrada sustentada pelo Pilar Europeu dos Direitos Sociais.
2.       É necessário um acompanhamento sistemático dos grupos que vivenciam situações de pobreza.

3.       Cortes nas despesas impulsionados pela estabilidade e focalizados na eficiência prejudicam a redução da pobreza e o respeito pelos direitos sociais.
4.       Constata-se uma exigência generalizada para a criação de impostos tendo em vista a redução da pobreza e da desigualdade!
5.       Há um enfoque no rendimento mínimo e na proteção social adequados mas é minimizado pelas pressões para redução dos gastos sociais.
6.       Mercados de trabalho inclusivos e empregos de qualidade continuam a ser alvo de uma atenção reduzida, enquanto que o principal enfoque está em “forçar” as pessoas a trabalhar.
7.       São incluídas algumas propostas positivas sobre a educação inclusiva e de qualidade, embora continuem a ser percecionadas como uma ferramenta a favor do mercado de trabalho.
Para mais informações, contacte p.f. Sian Jones, EAPN Policy Coordinator.

Pode acompanhar o trabalho desenvolvido pela EAPN sobre o Semestre Europeu em: https://www.eapn.eu/tag/european-semester/




Prémio de Jornalismo “Analisar a pobreza na Imprensa”





Regulamento do Prémio de Jornalismo “Analisar a pobreza na Imprensa”

Enquadramento
O jornalismo sempre desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento da vida democrática, denunciando os abusos dos direitos humanos. Ao longo dos últimos anos, a informação jornalística começou a desempenhar um papel importante, influenciando a própria interpretação da realidade e promovendo uma nova responsabilidade em termos de impacto político, social e cultural que a notícia pode ter no mundo global. Desta forma, a responsabilidade dos meios de comunicação para não publicarem ou transmitirem mensagens discriminatórias corre sempre o risco de colocar em perigo a liberdade de informação. Assim, é importante ter presente as consequências que informações incorretas ou estereotipadas podem ter. As notícias sobre pobreza e exclusão social podem, por vezes, ter por base simplificações excessivas e imagens estereotipadas de culpabilização. Uma imagem tendenciosa ou deturpada pode contribuir para a construção de uma atitude social negativa relativamente a determinados grupos, tendo um grande impacto negativo sobre a imagem dos mesmos.
A EAPN Áustria desenvolve, desde 2010, o prémio do jornalismo atribuído por pessoas em situação de pobreza e de exclusão. O júri é constituído exclusivamente por pessoas em situação de pobreza e tem como objetivo contribuir para combater alguns estereótipos e representações negativas sobre pobreza e exclusão social junto dos jornalistas e da sociedade em geral. Tendo como modelo esta ação bem sucedida e , também, a experiência da EAPN Portugal ao nível do trabalho junto de cidadãos que vivenciam ou já vivenciaram situações de pobreza e/ou exclusão social, considerou-se pertinente reproduzir esta iniciativa, começando, numa primeira fase, apenas com a imprensa escrita.
Visamos, assim, a participação cidadã recorrendo à informação livre de preconceito e de representações negativas sobre a pobreza e a exclusão social e funcionará este ano como um projeto piloto junto dos 18 Conselhos Locais de Cidadão e do Conselho Nacional de Cidadãos, dinamizados pelos Núcleos Distritais da EAPN Portugal.

Artigo 1º
Instituição e finalidade
1.     O presente regulamento define as normas que regem a 1º edição do Prémio de Jornalismo “Analisar a pobreza na Imprensa” criado e promovido pela EAPN Portugal/ Rede Europeia Anti-Pobreza (EAPN).
2.     O prémio distingue profissionais que, através do seu trabalho, contribuem para um melhor conhecimento das situações de pobreza e de exclusão social.
3.     Promover uma melhor qualidade de informação nos meios de comunicação social relativamente à pobreza e exclusão social, combatendo imagens erradas e estereotipadas sobre os mesmos.
4.     Premiar trabalhos publicados que retratem e/ou promovam uma imagem real da pobreza e da exclusão social no sentido de facultar uma clara informação sobre estas realidades nomeadamente sobre as suas causas, as suas consequências, as suas formas de expressão e alguns indicadores que explicam estas situações.
5.     Trabalhar de forma mais próxima com os meios de comunicação social no sentido de promover um maior conhecimento sobre os fenómenos da pobreza e da exclusão social.
Artigo 2º
Categorias e géneros jornalísticos
1.O prémio abrange duas (2) categorias: imprensa escrita nacional e imprensa escrita regional.
2.Os géneros jornalísticos em análise são, tanto na imprensa nacional como na regional, os seguintes: notícia; entrevista, reportagem, crónica, editorial, artigo de opinião.

Artigo 3º
Da informação para análise
1.A informação a analisar é recolhida pelos Conselhos Locais de Cidadãos, que ao selecionarem a informação para análise, confirmarão junto da fonte a autoria da mesma de acordo com os critérios do ponto 4 deste artigo.
2. A informação a analisar pode também ser enviada por cada candidato que entenda participar quer na categoria nacional, quer na categoria regional, devendo o conteúdo informativo a concurso ser enviado conjuntamente com o formulário de  candidatura que deve ser descarregado na página da EAPN (www.eapn.pt)
3. Os trabalhos poderão ser, ou não, acompanhados de fotografias/ilustrações.
4. A informação a concurso terá de ser da autoria de jornalistas profissionais, portugueses ou estrangeiros, habilitados com título profissional, mesmo que estagiários, colaboradores ou free-lancers.
5. Os candidatos que optem por enviar os seus trabalhos para análise devem fazê-lo através do seguinte modo:
Se o candidato concorrer à categoria imprensa nacional, deve enviar o trabalho, por e-mail, juntamente com o formulário de candidatura, para o e-mail: geral@eapn.pt
6.A informação será analisada à luz de critérios, previstos num guião, revelados na ata que fundamenta a decisão do júri.

Artigo 4º
Da natureza do prémio
Aos  autores  dos  trabalhos  premiados – categoria imprensa escrita nacional e categoria imprensa escrita regional - é  atribuído  um  prémio  de reconhecimento a cada categoria, no género jornalístico selecionado pelo júri. É um gesto simbólico de reconhecimento a jornalistas.
Artigo 5º
Júri
1.     O júri é composto por 4 elementos do Conselho Nacional de Cidadãos, com direito a voto, e por 3 elementos da academia, sem direito a voto, para parecer técnico.
2.     Não há lugar à atribuição de prémios exe équo.
3.     Compete ao júri classificar os trabalhos e decidir o vencedor, elaborando a respetiva grelha de decisão.
4.     Após o dia 31 de Dezembro de 2018, o Júri disporá de 30 dias para proceder à classificação e atribuição do prémio, que deverá ocorrer em cerimónia pública durante o mês de fevereiro de 2019.
Artigo6º
Periodicidade do prémio, entrada em vigor e término
1.     O prémio é concedido anualmente e visa trabalhos que divulguem, por via de diversos géneros jornalísticos, temas relacionados com a pobreza e a exclusão, publicados entre 1 de Janeiro e 31 de Dezembro do ano a que respeita o prémio (2018).
2.     A abertura de novo concurso é comunicada pela EAPN Portugal no seu site e pelos meios que entender necessários.
Artigo 7º
Das restrições e outras questões
1.     Não pode estar a concurso nenhum conteúdo informativo, em nenhum dos géneros jornalísticos mencionados neste regulamento, que vise a EAPN Portugal. E por esta ONG ser proprietária de uma revista, nenhum conteúdo publicado na Focussocial pode estar a concurso.
2.      A EAPN cria uma comissão interna com vista a verificar se os  trabalhos selecionados e recebidos  estão  em  conformidade  com  o  disposto  neste  Regulamento e elabora a lista final dos trabalhos a analisar.
3.     A Direção da EAPN Portugal regulará as questões omissas que lhe forem presentes.



V Encontro Regional dos Conselhos Locais de Cidadãos do Norte, da EAPN Portugal



Nos dias 21 e 22 de junho, em Valença do Minho, realizou-se o V Encontro Regional dos Conselhos Locais de Cidadãos do Norte da EAPN Portugal. Este ano a iniciativa revestiu-se de características muito particulares, ultrapassando as fronteiras do Norte de Portugal e acolhendo, no seu primeiro dia, a participação da EAPN Galiza. Foi assim também um encontro com os objetivos da EAPN Europa, no que ao intercâmbio entre as suas diversas Redes Nacionais diz respeito.
A iniciativa constituiu um momento de partilha sobre o presente, mas também de encontro de expetativas face às potencialidades de uma colaboração futura entre as duas realidades territoriais, sociais e institucionais – Norte de Portugal e de Espanha/ Galiza – que comungam da estranha familiaridade que advém de uma longa História partilhada.

Com o enfoque nas dinâmicas de participação social que uma e outra Redes desenvolvem, do debate ressaltaram algumas diferenças de prática intrinsecamente relacionadas com as estruturas organizativas de cada uma da Redes: em Portugal, um trabalho de consolidação de uma abordagem mais micro, buscando a participação direta dos/as cidadãos/ãs e enfatizando a sua capacitação para o exercício da cidadania; na Galiza, uma incidência num trabalho de influenciamento das instâncias governativas regionais, através da realização de iniciativas de grande dimensão, envolvendo as Organizações presentes no território, nomeadamente, o Encontro Anual de Participação, cuja edição de 2017, ocorrida em 23 de maio, teve uma ampla abordagem neste debate.
Perspetivas diferentes mas complementares no que à implicação e envolvimento dos/as cidadãos/ãs diz respeito, que deram o mote para a manifestação de interesses comuns, no que se perspetiva vir a ser a realização de ações conjuntas. A registar, desde já, duas temáticas fortemente catalisadoras dos interesses de ambos os territórios:

- a pobreza infantil e os padrões de consumo das famílias no Norte de Portugal e  na Galiza:
- o Rendimento Social de Inserção no cenário mais amplo das propostas atualmente em cima da mesa na Europa – o Rendimento Mínimo Adequado e o Rendimento Básico Incondicional.
Um futuro próximo que se perspetiva inspirador para ambas as Redes, seus parceiros e para os rostos que lhes dão ser e voz.

O segundo dia do Encontro foi prenchido com a visita a duas Organizações com trabalho relevante em prol da inclusão social no distrito de Viana do Castelo: a APPACDM e o GAF – Gabinete de Atendimento à Família, a primeira dirigida a cidadãos/ãs com atraso de desenvolvimento, deficiência intelectual ou incapacidade, a segunda, a cidadãos/ãs em situação de grande vulnerabilidade económica e social, nomeadamente através da sua Comunidade de Inserção. " Cristina Mamede


 + info:
 Núcleo Distrital de Aveiro
EAPN Portugal/ Rede Europeia Anti-Pobreza
Estrada Nova do Canal, n.º 111, R/C Dto.
Vera Cruz
3800-236 Aveiro
Tel.: 00351 234 426 702 Fax: 00351 234 426 246

segunda-feira, 2 de julho de 2018

ACONTECEU NO NÚCLEO DISTRITAL DE BRAGA



Práticas institucionais na intervenção com pessoas idosas debatidas em Vila Verde


"A EAPN Portugal/ Núcleo Distrital de Braga realizou, ontem, em parceria com o Município de Vila Verde (Rede Social), o workshop formativo “Práticas institucionais no contexto da intervenção com Pessoas Idosas".
Após um momento de contextualização teórica sobre paradigmas no envelhecimento, foram explanados e debatidos casos práticos na intervenção com pessoas idosas, em contexto institucional.

Com efeito, abordou-se, entre outras, a noção de Envelhecimento saudável que consiste no processo de desenvolvimento e manutenção da capacidade funcional que permite o bem-estar em idade avançada. A capacidade funcional refere-se aos atributos relacionados com a saúde que permitem que as pessoas sejam ou façam aquilo que valorizam. Depende das capacidades físicas e mentais do indivíduo (capacidade intrínseca) e dos fatores ambientais.

Neste sentido, os objetivos das intervenções institucionais devem atender à maximização da capacidade funcional. Estes objetivos podem ser alcançados: construindo e mantendo a capacidade intrínseca, e dando a possibilidade aqueles que têm uma capacidade intrínseca diminuída de fazerem o que valorizam (OMS, 2015).

Perante os efeitos negativos associados à institucionalização, já estudados e devidamente identificados (ex. Isolamento da família, amigos e comunidade;  desmotivação para novas relações sociais; solidão – dado que atividades que promovem a interação social nem sempre conseguem anular o sentimento de solidão dos utentes; falta de privacidade; problemas de identidade; falta de autoafirmação; falta de sentido das atividades; oportunidades limitadas de reciprocidade ou de contributo), impõe-se a necessidade de mudar o paradigma das práticas institucionais.

Deste modo, em conjunto, analisaram-se e debateram-se estratégias de minimização ou anulação destes efeitos, através de exemplos práticos, com vista à contribuir para a melhoria das práticas institucionais. Por vezes, até pequenas mudanças trazem grandes melhorias no sentimento de bem-estar das pessoas institucionalizadas. Estas práticas devem basear-se em determinados pressupostos tais como: explorar os potenciais contributos dos utentes - no planeamento, implementação das atividades - enquanto facilitadores, etc./ conselhos de utentes; envolver as pessoas idosas nas decisões e atividades (auscultá-las não chega!); contribuir para a identificação de grupos existentes ou grupos potencialmente significativos para os utentes; dar-lhes o máximo controle possível; valorizar as preferências dos utentes; (etc.)." Isabel Amorim


 + info:
 Núcleo Distrital de Braga
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza
Rua Ana Teixeira da Silva, n.º 34, 1º Esq.
4700-251 Braga
Tel. + 00351 253 331 001 Fax: + 00351 253 331 002

Feira de Emprego, Vila Real




"O CLDS 3G de Vila Real, em parceria com a EAPN Portugal, Núcleo Distrital de Vila Real, vai levar a cabo uma Feira de Emprego no dia 6 julho, das 9.30h às 16.30 no Regia Douro Park.
Com apresentações em pitch de formandos/as que estiveram presentes na sessão de capacitação dinamizada pela formadora Núria Mendoza (nos dias 18 e 19 de junho), da parte da tarde teremos sessões de speedrecruitment com a presença de empresas locais e nacionais.
Esta iniciativa surge da necessidade de articular as expetativas do mundo empresarial com as necessidades locais/regionais seguindo a metodologia do projeto Click de Saída desenvolvido pela EAPN Portugal e IEFP, a nível nacional.


+ info:

Catarina Oliveira
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti – Pobreza
Técnica do Núcleo Distrital de Vila Real
Rua Dr. Francisco Sales da Costa Lobo, lote 5, -1 rc/esquerdo 3 B
5000-260 Vila Real
T: +00351 259322579 F: +00351 259322001