Follow by Email

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Banco de Cidadania



Núcleo Distrital de Vila Real da EAPN Portugal, Rede Europeia Anti Pobreza promove durante os meses de setembro e outubro o Banco de Cidadania. 

Banco de Cidadania pretende ser um espaço dedicado à informação e sensibilização de temas que envolvem os/ãs cidadãos/ãs com o objetivo de melhorarmos a nossa participação na sociedade e assumirmos um papel ativo no nosso Bairro, na nossa Freguesia, na nossa Comunidade, no nosso País e na Europa.
Neste sentido, o Banco de Cidadania vai informar e debater temas que têm a ver comigo, consigo e com todos/as. E se fosse consigo? Ia querer saber mais sobre o tal tema de que todos falam? Venha subir mais um degrau na escada da participação cidadã! Participe!

Deixamos aqui os títulos dos temas que vamos abordar:

1.O trabalho: os direitos e deveres dos trabalhadores e das entidades empregadoras?
2.O que são prestações sociais? O que é o Rendimento Social de Inserção: calculo, atribuição, acompanhamento?
3.Como funcionam as Assembleias Municipais e o que é que isso tem a ver com a minha vida?
4.O que é o Estado? E o Estado Social?
5.Rendimento mínimo adequado, sabe o que é?


Temas
Convidados
Datas para 2017
Duração
Local
Destinatários
1.O trabalho: os direitos e deveres dos trabalhadores e das entidades empregadoras?
Dr. José Pinto Fernandes - Diretor Autoridade para as Condições do Trabalho de Vila Real – Centro Local do Douro

12 setembro








14h30 às 16h00






Núcleo Distrital de Vila Real da EAPN Portugal / Rede Europeia Anti Pobreza











Sociedade Civil
Desempregados/as
Empregados/as
2.O que são prestações sociais? O que é o Rendimento Social de Inserção: calculo, atribuição, acompanhamento?
Dr. Nuno Amaral
Coordenador da equipa do RSI do Centro Social e Paroquial de Santa Eulália da Cumieira
18 setembro

3.Como funcionam as Assembleias Municipais e o que é que isso tem a ver com a minha vida?
Dr.ª Maria João Fernandes ex- Deputada da Assembleia Municipal de Vila Real
28 setembro
4.O que é o Estado? E o Estado Social?
Dr.ª Catarina Oliveira
EAPN PT Nucleo de Vila Real
4 de outubro
5.Rendimento mínimo adequado, sabe o que é?
Dr.ª Paula Cruz e Dr.ª Filipa Cabral
EAPN Portugal
12 outubro





Para podermos organizar cada sessão da melhor forma, solicitamos o envio da ficha de inscrição atempadamente para vilareal@eapn.pt uma vez que temos um limite de vagas de 20 participantes por sessão.


Venha subir mais um degrau na escada da participação cidadã! 


+ info:

Catarina Oliveira
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti – Pobreza
Técnica do Núcleo Distrital de Vila Real
Rua Dr. Francisco Sales da Costa Lobo, lote 5, -1 rc/esquerdo 3 B
5000-260 Vila Real
T: +00351 259322579 F: +00351 259322001

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

“ Olha o Almerindinho no autocarro! "


Campanha contra a Discriminação das Comunidades Ciganas


“ Olha o Almerindinho no autocarro! “

…e outras crianças como ele a reivindicar, com sonhos, o futuro


O que mais gostou foi de ouvir dizer: “ Olha o Almerindinho no autocarro! ”
Da sua participação na campanha contra a discriminação das comunidades ciganas, Almerindo, 7 anos, destaca o espanto de familiares e amigos ao verem a sua fotografia num cartaz apenso na traseira dos autocarros que circulam por algumas cidades do país.

A irmã de Almerindo, Márcia, 12 anos, também participou. Diz que quer ser atriz e ao dizê-lo convoca, genuinamente, sonho e vontade; muita vontade de que essa ambição se transforme em realidade e não conheça obstáculos – pelo menos, advindos do puro preconceito - pois “tenho a certeza de que quero ser atriz. Na escola até já participei num teatro que fizemos, A Bela e o Monstro”. Como tantas outras meninas da sua idade gosta de brincar, saltar à corda e jogar às caçadinhas. Na escola, nunca se sentiu discriminada. Mas sabe o que isso é, o que significa, e fica “triste quando as pessoas dizem que não gostam de ciganos”.


A Focus Social falou com algumas das crianças de etnia cigana que deram a cara pela campanha nacional levada a cabo pela EAPN Portugal em parceria com a Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade, visando assinalar o Dia Nacional das Comunidades Ciganas, 24 de junho, que se celebra todos os anos, em Portugal, com certa informalidade, pois não se sabe ao exatamente quando começou a ser evocado. Já o dia internacional, dedicado a esta etnia, comemora-se por indicação das Nações Unidas, desde 1971, a 8 de abril.

Por favor continuar a ler aqui

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

“Direitos Humanos acima de tudo” diz, alto e bom som, a EAPN Europa



A União Europeia (EU) deve, a qualquer custo, evitar um fracasso moral e colocar em prática as melhores razões da sua existência: a solidariedade, a defesa dos direitos humanos e a paz.
Chegam diariamente às fronteiras do sul da Europa barcos com milhares de pessoas em busca de um futuro melhor ou simplesmente em busca da sobrevivência. Desembarcam, em solo europeu, exaustos, famintos, assustados; muitos foram torturados e, no caso das mulheres, muitas delas violadas.
“São nossos irmãos e irmãs: fazem parte do grupo de pessoas com quem e para quem a EAPN trabalha; não importa de onde vêm ou a cor da pele; distingue-nos apenas o acaso de termos tido a sorte de nascer na parte "certa" do mundo”, lê-se no comunicado de imprensa feito pela EAPN Europa.

Os Estados -membros parecem incapazes de responder com dignidade, solidariedade e humanidade a esta situação de emergência, que não envolve bancos, dinheiro ou mercados, mas sim pessoas. E isto coloca completamente em causa as razões da existência da União Europeia. 

Por favor continuar a ler AQUI

“Criatividade e autonomia na procura de emprego” e “Desemprego: um trabalho de equipa”

Sessões Informativas, hoje, em Braga

“Criatividade e autonomia na procura de emprego” e

“Desemprego: um trabalho de equipa”

"No âmbito de um trabalho de colaboração com o Serviço de Atendimento e Acompanhamento Social da Delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa, a EAPN Portugal realiza, hoje, duas sessões de capacitação intituladas “Criatividade e autonomia na procura de emprego” e “Desemprego: um trabalho de equipa”, dirigidas aos destinatários daquele serviço.
As sessões são dinamizadas por Liliana Pinto, socióloga da EAPN Portugal, e os programas e respetivos conteúdos são adaptados às qualificações e às necessidades dos grupos de participantes."

+ info:
Isabel Amorim
Técnica do Núcleo Distrital de Braga
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza
Rua Ana Teixeira da Silva, n.º 34, 1º Esq.
4700-251 Braga
Tel. + 00351 253 331 001 Fax: + 00351 253 331 002



terça-feira, 1 de agosto de 2017

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Aveiro [novas datas]


Avaliação de Desempenho como Processo de Melhoria das Organizações


As pessoas são o maior ativo de qualquer organização, sendo esta afirmação ainda mais pertinente no chamado sector social, onde as pessoas, suas atitudes, competências e organização são determinantes na qualidade e sucesso das respostas sociais proporcionadas às comunidades, famílias e sociedade em geral. A avaliação de desempenho nestas organizações é uma oportunidade de melhoria individual e coletiva, com vista a um aumento da qualidade dos serviços prestados e do desempenho das diferentes equipas e da organização como um todo. Mas gerir e avaliar o desempenho de pessoas e equipas tem que ser mais que definir objetivos e avaliar resultados. Deve ser um processo coletivo e legitimado por todos/as os/as que nele vão participar e focar-se na aferição das condições proporcionadas para alcançar esse sucesso, na análise dos processos de planeamento e definição de prioridades e responsabilidades, na avaliação da coerência das políticas internas de gestão de recursos humanos e da operacionalização das medidas planeadas.



CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS


1. Acolhimento e apresentação de programa e formandos/as; Avaliação inicial de conhecimentos
2. Avaliação e avaliação de desempenho: gestão de pessoas e equipas, modelos e tipos de avaliação de desempenho
3. Avaliação de desempenho no setor social: modelos e práticas; processo de definição e implementação do modelo de avaliação de desempenho; ferramentas de avaliação de desempenho; métodos participativos de definição e construção de um modelo de avaliação de desempenho; definição de objetivos; momentos de avaliação desempenho (individual, coletivo)
4. Análise de resultados, feedback e melhoria continua.






OBJETIVO GERAL
Aumentar os conhecimentos e as competências para o desenvolvimento de processos de avaliação de desempenho propulsores de melhoria organizacional.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Definir Avaliação de Desempenho e identificar os diferentes tipos e modelos de Avaliação de Desempenho
- Compreender o processo de definição e desenvolvimento de um modelo de Avaliação de Desempenho
- Definir objetivos para a Avaliação de Desempenho
- Compreender a importância de implementar processos participativos como garante da legitimidade do processo de Avaliação de Desempenho
- Analisar os resultados do processo de Avaliação de Desempenho.

METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO E AVALIAÇÃO
Abordagem pedagógica: Educação Não Formal e Entre Pares. Metodologias: ativas, expositivas e interrogativas. Avaliação: inicial, formativa e sumativa (com recurso a metodologias participativas)


DIAS 27 e 28 setembro 2017
HORÁRIO 9h30 às13h00 |14h00 às 17h30
DURAÇÃO 14 horas
LOCAL Núcleo Distrital de Aveiro da EAPN Portugal | Estr. Nova do Canal, n.º 111, R/C Dto., 3800-236 Aveiro
INSCRIÇÃO Associados da EAPN Portugal: 35€ // Não associados: 55€
PÚBLICO-ALVO Chefias intermédias, membros de direção, gestores/as da qualidade, direções técnicas, técnicos/as e coordenadores/as
PRÉ- REQUISITOS Conhecer bem a organização que representam, a sua equipa, políticas internas, os seus projetos, missão, visão e valores; Deter noções básicas de gestão das organizações e de recursos humanos.
ÁREA DE FORMAÇÃO 345 – Gestão e Administração
MODALIDADE DE FORMAÇÃO Formação contínua de atualização
FORMA DE ORGANIZAÇÃO Formação presencial
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença obrigatória em pelo menos 80% do total da duração da ação e aproveitamento no final da formação.
FORMADOR João Mesquita
Fundador e sócio-gerente da Coatl – Consultoria para o Desenvolvimento. Licenciado em Economia e mestre em Desenvolvimento e Cooperação Internacional pelo Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG – Universidade de Lisboa). Trabalha como formador desde 2010 e como consultor para o Terceiro Sector desde 2013 em temas como Monitorização e Aavaliação, Planeamento Estratégico e Desenvolvimento e Implementação de Estratégias de Angariação de Fundos, privilegiando o uso de metodologias participativas e abordagens pedagógicas não-formais e de educação entre pares. Ao longo do seu percurso profissional trabalhou com organizações como o Conselho da Europa, Alto Comissariado para as Migrações (ACM, IP), Fundação Calouste Gulbenkian, Fórum Europeu de Juventude (YFJ), EFUS – European Forum for Urban Security, Conselho Nacional de Juventude, Plataforma Portuguesa das ONGD, Médicos do Mundo, APF – Associação para o Planeamento Familiar, EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza), entre muitas outras IPSS, ONG, Associações Juvenis, Cooperativas e Municípios.


INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Ficha de Inscrição em anexo // A Ficha de Inscrição pode ser reproduzida
Após confirmação da sua inscrição, o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária, numerário ou cheque (à ordem de EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, Associação).
As inscrições são limitadas a 15 participantes e devem ser realizadas até ao próximo dia 19 de setembro para:
EAPN Portugal / Núcleo Distrital de Aveiro
Estr. Nova do Canal, n.º 111, R/C Dto., 3800-236 Aveiro

T: 234 426 702 | Email: aveiro@eapn.pt

segunda-feira, 31 de julho de 2017

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Setúbal


As abordagens colaborativas na intervenção social com famílias muito vulneráveis
As famílias muito vulneráveis que vivem em contextos de pobreza/exclusão social, encontram-se entre os grupos populacionais que enfrentam mais dificuldades, ao mesmo tempo que se incluem nos grupos mais difíceis de ajudar. Não raras vezes, estas famílias são apontadas como sinónimo de “fracasso” na intervenção social, pois o envolvimento com os sistemas sociais tende a prolongar-se no tempo sem que ocorra uma significativa melhoria na sua qualidade de vida. Profissionais e famílias entram assim, num “ciclo de desespero”, gerador de sentimentos de ineficácia e impotência em todos os envolvidos (famílias, profissionais, instituições) que tornam as expetativas de sucesso diminutas ou inexistentes.
Aplicadas à intervenção social, as abordagens colaborativas (centradas nas soluções e nas competências) oferecem princípios filosóficos e práticas que ajudam os profissionais a ativar e captar as forças dos indivíduos e/ou famílias em situação de pobreza.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
1.     Os clientes/famílias vulneráveis e com múltiplos problemas: caraterização
2.     O atual momento entre paradigmas na intervenção social: das abordagens centradas nos problemas às abordagens colaborativas (centradas nas soluções e nas forças)
3.     As abordagens colaborativas: princípios e atuação junto de clientes vulneráveis
4.     Estratégias com sucesso na intervenção social: relação de confiança, flexibilidade, tempo, informalidade, ajudas práticas e materiais
5.     A gestão de caso como estratégia colaborativa
6.     A figura do gestor de caso: competências e ações para fortalecer uma prática colaborativa
7.     A centralidade da relação: estratégias para envolver clientes “difíceis” na intervenção
8.     Abordagem colaborativa nas visitas domiciliárias: princípios e boas práticas
9.     Desafios que se colocam ao interventor no atual contexto de intervenção

OBJETIVO GERAL
Abordar o papel do interventor/gestor de caso na intervenção com públicos muito vulneráveis, com enfoque na compreensão e desenvolvimento das abordagens colaborativas (centradas nas soluções e competências) e na relação profissional-cliente.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
- Compreender a relevância de implementar abordagens colaborativas no contexto da intervenção com famílias muito vulneráveis
- Identificar os princípios e boas práticas subjacentes às abordagens colaborativas
- Identificar estratégias, técnicas, atitude para desenvolver uma abordagem colaborativa junto de famílias vulneráveis

OBJETIVO GERAL
Metodologias participativas e dinâmicas que valorizem a aprendizagem e desenvolvimento pessoal: método interativo e expositivo. Avaliação contínua pergunta-resposta entre formador e formandos; exercícios práticos, análise, discussão de casos.


DIAS 19 e 20 de setembro de 2017
HORÁRIO 10h00 às13h00 e das 14h00 às 17h00
DURAÇÃO 12 horas
LOCAL Auditório da Biblioteca José Saramago - Rua da Alembrança – Feijó, 2800-648 Almada
INSCRIÇÃO Associados/as da EAPN Portugal: 30€ // Não associados/as: 50€
PÚBLICO-ALVO Profissionais da área social
ÁREA DE FORMAÇÃO 762 – Trabalho Social e Orientação
MODALIDADE DE FORMAÇÃO Formação contínua de atualização.
FORMA DE ORGANIZAÇÂO Formação presencial
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença obrigatória em pelo menos 80% do total da duração da ação e aproveitamento no final da formação
FORMADORA Sofia Rodrigues
Doutoranda em Psicologia na Universidade de Aveiro; Pós-graduada em Análise e Intervenção Familiar; Especialização em Intervenção Sistémica e Familiar pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar; Desenvolve diversas atividades de consultoria, supervisão e formação para profissionais em território nacional nas áreas de intervenção social com famílias muito vulneráveis e metodologia PhotoVoice. Tem participado em diversas iniciativas no combate à pobreza e exclusão social. Acresce a participação e condução em diversas Conferências e Seminários em Portugal e no estrangeiro. É coautora de diversos artigos científicos, capítulos de livros nacionais e internacionais e revistas internacionais na área da psicologia, intervenção comunitária, pobreza e exclusão social e cidadania.


INFORMAÇÕES E INSCRIÇÔES Ficha de Inscrição em anexo // A Ficha de Inscrição pode ser fotocopiada


Após confirmação da sua inscrição, o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária, numerário ou cheque (à ordem de EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, Associação).


As inscrições são limitadas a 25 participantes e devem ser realizadas até ao próximo dia 14 de setembro  para:
EAPN Portugal / Núcleo Distrital de Setúbal
Caixa de texto: Com  apoio 
apoioapoio
Avenida Dom João II, Nº14 R/C Dto - 2910-548 Setúbal. Tlm: 936873916 | setubal@eapn.pt