Follow by Email

terça-feira, 9 de maio de 2017

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Faro


Práticas colaborativas na intervenção social junto de famílias pela 1ª vez em situação de crise e vulnerabilidade
Na sequência da crise económica de 2007, da redução/instabilidade dos rendimentos familiares, endividamento, desemprego, e da emergência de doenças prolongadas e ruturas familiares, muitas famílias recorrem, pela primeira vez, ao sistema formal de apoio para conseguir fazer face às suas necessidades básicas. Profissionais e serviços sociais têm vindo a deparar-se com um número crescente de famílias que vivenciam situações de vulnerabilidade económica e social pela primeira vez, requerendo ajuda profissional para reencontrarem equilíbrio emocional e/ou material.
A eficácia da intervenção tem sido associada ao desenvolvimento de um contexto colaborativo entre profissionais e famílias assente simultaneamente no reconhecimento do impacto da crise ao nível individual e familiar e na recaptação e amplificação das suas forças e recursos.
As abordagens colaborativas (centradas nas forças e nas soluções) envolvem uma forma diferente de olhar para os indivíduos, famílias e comunidades. Nestas abordagens, todos os sistemas têm competências e todos devem ser perspetivados à luz das suas capacidades, talentos, competências, possibilidades, visões valores e esperanças, tantas vezes distorcidas pelas circunstâncias e vivências traumáticas e de opressão. Aplicadas ao contexto da intervenção social, estas abordagens oferecem um conjunto de princípios e práticas que ajudam os profissionais na ativação e captação das forças dos indivíduos e/ou famílias em diversas situações de vulnerabilidade, colocando-as ao serviço da superação da crise e da concretização do futuro desejável.


OBJETIVOS


CONTEÚDOS
·         Crise, Vulnerabilidade e Resiliência no Ciclo de vida familiar
·         As abordagens centradas nas forças e soluções (princípios e componentes centrais);
·         Estratégias e instrumentos a adotar nas diferentes fases do processo de intervenção (para envolver o cliente; explorar o problema; explorar soluções; negociar objetivos; apoiar e amplificar as mudanças desejadas);
·         A entrevista centrada nas competências e nas soluções: técnicas de questionamento e conversação (e.g., questionamento de exceção; questões de coping; escalonamento; uso dos elogios);
·         Treino comunicacional: praticar uma “linguagem colaborativa e promotora de mudança” junto dos clientes;
·         Relação/aliança terapêutica e competência cultural do profissional (dificuldades comuns entre profissionais e clientes na intervenção social; estratégias de envolvimento dos clientes).





DIAS  22 3 23 de maio
HORÁRIO 9.30h/13h  e 14.00/17.30h
DURAÇÃO 14 horas
LOCAL Casa da Juventude de Olhão
INSCRIÇÃO Associados da EAPN Portugal: 35€ // Não associados: 55€

PÚBLICO-ALVO Dirigentes, Profissionais e Voluntários/as de organizações de intervenção social ou qualquer pessoa interessada.
Dinamizadora: Sofia Rodrigues Psicóloga. Doutoranda em Psicologia na Universidade de Aveiro; Pós-graduada em Análise e Intervenção Familiar; Especialização em Intervenção Sistémica e Familiar pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar; Integra a equipa do Gabinete de Investigação em Saúde Familiar e Comunitária da Universidade de Aveiro. Coautora do livro “Famílias pobres: desafios à intervenção social

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Ficha de Inscrição em anexo // A Ficha de Inscrição pode ser fotocopiada

Após confirmação da sua inscrição, o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária, numerário ou cheque (à ordem de EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, Associação).

As inscrições são limitadas a 25 participantes e devem ser realizadas até ao próximo dia 15 de maio  para:
EAPN Portugal / Núcleo Distrital de Faro
Rua D. Jerónimo Osório nº 5,  2º Dto, R/C Dto, 8000-307 Faro

T: 289 802 660 | Tlm: 936 873 911 | Fax: 289 802662 | n.faro@eapn.pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário