Follow by Email

terça-feira, 29 de março de 2016

Workshop Formativo, Castelo Branco



ASPECTOS JURIDICOS E CIDADANIA NAS PESSOAS COM DEMÊNCIA INSTITUCIONALIZADAS
Os direitos das pessoas em situação de incapacidade que vivem em meio institucional, como promover e respeitar os seus direitos


CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
1.   Enquadramento legal dos direitos das pessoas em situação de incapacidade;
2.   Formas legítimas de atuação;
3.   Os Processos de interdição e de inabilitação;
4.   As Pessoas em situação de incapacidade enquanto clientes de equipamentos sociais;
5.   Consequências da violação dos direitos das pessoas em situação de incapacidade;
6.   Fragilidades e Potencialidades do Sistema Jurídico Português no que toca à defesa e promoção dos direitos das pessoas em situação de incapacidade.

OBJETIVO GERAL // OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Identificar as formas legítimas de atuação no respeito e promoção daqueles direitos;
Identificar os limites da sua atuação como dirigentes e prestadores de cuidados
Identificar as consequências jurídicas do desrespeito pelos direitos das pessoas em situação de incapacidade;
Resolver situações práticas em conformidade com o Direito

METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO E AVALIAÇÃO
A metodologia será orientada no enquadramento teórico-prático, de forma ativa e participativa, com exposição de auxiliares audiovisuais, assim como instrumentos operativos, de forma a discussão orientada e trabalhos de grupo.



DIA 14 de abril de 2016
HORÁRIO 10h00 às13h00 |14h00 ás 18h00
DURAÇÃO 7 horas
LOCAL Biblioteca Municipal de Castelo Branco
INSCRIÇÃO Associados da EAPN Portugal:20.00 € // Não associados: 30.00€
PÚBLICO-ALVO Diretores técnicos, assistentes sociais, estudantes, outros intervenientes de acção social.
ÁREA DE FORMAÇÃO 762 – Trabalho Social e Orientação
MODALIDADE DE FORMAÇÃO Formação contínua de atualização
FORMA DE ORGANIZAÇÃO Formação presencial
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença obrigatória em pelo menos 80% do total da duração da ação e aproveitamento no final da formação.
FORMADORA Maria do Rosário Zincke dos Reis
Advogada especializada em direitos das pessoas em situação de incapacidade

I
Após confirmação da sua inscrição, o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária, numerário ou cheque (à ordem de EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, Associação).

 As inscrições são limitadas a 25 participantes e devem ser realizadas até ao próximo dia 12 de abril para:
EAPN Portugal/Núcleo Distrital de Castelo Branco
Campo Mártires da Pátria, Biblioteca Municipal 6000-000 Castelo Branco

Telefone: 272328333 / Fax: 272328334 / castelobranco@eapn.pt

Caminhada Solidária, Beja


(EN) caminhar em Beja
Caminhada Solidária
9 de abril


 Inscrição:
1 Pacote de leite
Roupa reutilizada
Trinchas; pincéis; tintas, ferramentas

 Concentração e inscrição:
Escola Secundária Diogo Gouveia – 9 horas
Final da caminhada junto ao campo de Ténis com pintura do Mural – 12h30

 Objetivos:
®          Recolher leite para apoiar o Banco Alimentar
®          Recolha de ferramentas, tintas, trinchas para pequenas reparações no âmbito do Projeto “Vasos de Barro”
®          Recolha de roupa reutilizada para a AMEC
®          Promover a atividade conjunta entre escola, pais, alunos, amigos e a sociedade civil

  Inscrições:
965 077 313//284 325 744

Organização e parceiros:
Associação de Pais das Escolas Diogo Gouveia, Santiago Maior e Santa Maria
Núcleo Distrital de Beja da EAPN Portugal

 

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Santarém


Mindfulness, Estratégias de redução e intervenção no stress e na ansiedade
Cada vez mais, as exigências pessoais, familiares e profissionais que nos impomos e que nos são impostas diariamente tornam a nossa vivência uma fonte de stress, ansiedade e medo. A correria diária, as múltiplas responsabilidades, assim como as condições, relações e contextos laborais condicionam a nossa vida e contribuem para que, muitas vezes, seja difícil viver com alegria, equilíbrio e paz. Áreas laborais como a intervenção social exigem de nós uma grande capacidade de gestão de mente, resolução de problemas, autocontrolo e foco, bem como o recurso a estratégias adequadas e eficazes de redução de stress e ansiedade. O Mindfulness constitui um poderoso instrumento de potenciação dos nossos recursos internos para criação e consolidação das melhores condições para fazer face também a estes desafios da nossa vivência.
CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
1. Mindfulness:
- Conceito de Mindfulness e importância da prática de Mindfulness na nossa vida;
- Relação entre a prática de Mindfulness e a redução de estados negativos associados ao stress, ansiedade e depressão;
- Formas de Mindfulness.
2. Stress:
- Mecanismos de desenvolvimento e funcionamento do stress; causas de suscetibilidade ao stress;
- Consequências e sintomas do stress; Competências e mecanismos de prevenção, redução e gestão do stress;
- Principais erros e distorções cognitivas presentes em quadros de stress e ansiedade;
- Competências e treino de resolução de problemas.
3. Ansiedade:
- Ansiedade e sua sintomatologia; Causas e os mecanismos de desenvolvimento da ansiedade;
- Competências e mecanismos de prevenção, redução e gestão da ansiedade;
- Mecanismos de funcionamento, prevenção e gestão das seguintes problemáticas: ataques de Pânico, Fobias, Perturbação Obsessiva-compulsiva, Ansiedade Generalizada e Stress Pós-Traumático;
- Estratégias de intervenção e redução da ansiedade.
OBJETIVO GERAL // OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Adquirir competências e técnicas de Mindfulness, redução de stress e ansiedade e treino de resolução de problemas.
METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO E AVALIAÇÃO
Formação de caráter teórico prático, utilizando os métodos expositivo, ativo e interrogativo, valorizando-se a participação, assiduidade e reações dos formandos.

DIAS 15 de abril de 2016
HORÁRIO 9h30 às13h00 e das 14h00 às 17h30
DURAÇÃO 7h
LOCAL Santa Casa da Misericórdia de Santarém (Sala de Formação)
INSCRIÇÃO Associados/as da EAPN Portugal: 30€ // Não associados/as: 50€
PÚBLICO-ALVO Técnicos e dirigentes de organizações de intervenção social e organismos públicos
ÁREA DE FORMAÇÃO 090 – Desenvolvimento Pessoal
MODALIDADE DE FORMAÇÃO Formação contínua de atualização
FORMA DE ORGANIZAÇÃO Formação presencial
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados/as da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença obrigatória em pelo menos 80% do total da duração da ação e aproveitamento no final da formação
FORMADORA Sofia Rodrigues
Psicóloga Clínica, Psicoterapeuta e Formadora. Licenciada em Psicologia, pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa. Em 2004 desenvolveu a sua formação na área dos cuidados paliativos e mais recentemente na área de prestação de cuidados a pessoas idosas e dependentes, pela Associação Portuguesa de Psicogerontologia. Exerce a sua atividade em clínica privada ao nível da avaliação, aconselhamento e intervenção psicológica em adultos e casais, nas mais variadas problemáticas (depressão/estados depressivos, ansiedade/stress/ataques de pânico, dificuldades relacionais/conjugais, dificuldades de comunicação/assertividade, autoestima/imagem, luto, sexologia clínica, entre outras). Pós-Graduada em Terapia de Casal e em Sexologia Clínica. Formadora na área da Psicologia e Saúde - Ansiedade, Stress, Depressão, Estilos de Comunicação, Luto, Autoestima, Psicoterapia de 3ª Geração (Mindfulness, Técnicas de Respiração e Meditação)
As inscrições são limitadas a 20 participantes e devem ser realizadas até ao dia 5 de abril para:
EAPN Portugal / Núcleo Distrital de Santarém
Rua Prior do Crato, nº 2 | 2005-365 Santarém
Telefone: 243306279 | | santarem@eapn.pt

Dia Mundial do Cigano, Beja

Dia Mundial do Cigano

Dia 8 de Abril de 2016

Casa da Cultura em Beja



PROGRAMA:

9 h – Receção dos participantes
9 h – Mercado participado
9 h – Feira do Livro reutilizado
9 h – Exposição de fotografias “comunidade cigana”
9 h – Exposição de livros temáticos sobre a comunidade cigana
10 h – Demonstração musical da cultura cigana durante todo o dia
11 h – Abertura da conferência com:
11h30 - Assinatura de Protocolo de Cooperação entre a Associação de Mediadores Ciganos de Portugal, representada pelo presidente Prudêncio Canhoto, e o Alto Comissariado para as Migrações, representado pelo Alto-Comissário, Dr. Pedro Calado
11h45 - Apresentação da Associação de Mediadores Ciganos de Portugal, Prudêncio Canhoto - Presidente da AMEC
12h15 - Apresentação da Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas, Carlos Nobre - Gabinete de Apoio às Comunidades Ciganas do Alto Comissariado para as Migrações
13h00 – Almoço partilhado – Sopa de funcho
19 h – Culto Religioso na Igreja Evangélica de Filadélfia (Rua da Lavoura)

Entrada gratuita.

+ INFO:

Anselmo Prudêncio
Técnico do Núcleo Distrital de Beja
EAPN Portugal/ Rede Europeia Anti-Pobreza
Rua do Jornal Ala Esquerda 20
7800-301 Beja
Tel. + 00351 284 325 744 Fax: + 00351 284 325 745








Semana da Interculturalidade


A Semana da Interculturalidade, iniciativa promovida pela EAPN Portugal, decorre entre os dias 04 e 10 de abril, em sete distritos portugueses, sensibilizando para a construção de uma sociedade mais justa, igualitária e intercultural.

“A EAPN Portugal tem vindo a desenvolver várias iniciativas no sentido de ativar e mobilizar a comunidade local para o combate à pobreza e exclusão social. As atividades realizadas neste âmbito têm sido bastante diversificadas, contando sempre com uma parceria alargada”, diz Sandra Araújo, diretora executiva da EAPN Portugal, acrescentando que “o desenvolvimento de ações desta natureza é percebido como tendo um impacto significativo na opinião pública, fomentando, por um lado, uma maior sensibilização para a importância do combate à pobreza e da exclusão e, por outro lado, um maior incentivo ao trabalho em parceria e à criação de sinergias ao nível local”.
Reconhecendo estas potencialidades, a EAPN Portugal entende estarem criadas condições para desenvolver uma nova iniciativa que permita trabalhar e sensibilizar os cidadãos para a necessidade de uma sociedade intercultural que tenha presente os valores da solidariedade, da igualdade, do respeito pela diferença e pela diversidade, de forma a garantir uma cidadania mais inclusiva e mais igualitária.
“A interculturalidade, cada vez mais presente na nossa sociedade, exige um conhecimento mais aprofundado das várias culturas que integra. E é através do conhecimento de outras culturas e dos contactos que temos com essas culturas que nos enriquecemos enquanto cidadãos”, explica Sandra Araújo.
A interculturalidade passa, desta forma, pela aceitação e o respeito pelas diferenças. Apostar na interculturalidade é acreditar que se pode aprender e enriquecer através do diálogo e da convivência com outras culturas.

Pode ver a programação AQUI

quinta-feira, 24 de março de 2016

Convenção Anual para o Crescimento Inclusivo 2016


Mensagens Chave da EAPN 
Convenção Anual para o Crescimento Inclusivo 2016





 (Re)colocar a Pobreza na agenda – garantir que a UE apresenta resultados neste domínio!
 Reconhecer o aumento da pobreza e das desigualdades, recentrar a Estratégia Europa 2020 e o Semestre sobre as metas, garantir que o pilar social será adequado para o efeito, e promover a participação e o compromisso real dos stakeholders!

 A Convenção Anual deve continuar a rever o progresso da Europa 2020 sobre a meta da redução da pobreza juntamente com os stakeholders, incluindo as pessoas que vivem em situação de pobreza. O fracasso da Estratégia Europa 2020 relativamente à meta da redução da pobreza e as elevadas taxas de pobreza e exclusão social vividas por um em cada cinco cidadãos europeus, são motivos de grande preocupação, colocando em risco a coesão social, bem como uma recuperação sustentável e a credibilidade da União Europeia.
 A existência de processos como a Estratégia Europa 2020 e o Semestre Europeu é agora mais relevantes do que nunca. É crucial que não sejam esquecidos, bem pelo contrário, que sejam fortalecidos e revigorados, a fim de aproveitar ao máximo os restantes 4 anos da Estratégia e garantir uma eficácia significativa relativamente aos seus objetivos. A nova iniciativa sobre um Pilar Europeu dos Direitos Sociais deve demonstrar um firme compromisso na garantia de uma Europa livre de pobreza e exclusão, na luta contra as desigualdades, adotando uma abordagem baseada nos direitos, como parte de uma estratégia integrada de combate à pobreza, com base na qualidade do emprego, dos serviços, da proteção social e da promoção dos padrões sociais da UE.
 Acima de tudo – as pessoas devem ser colocadas no centro da Estratégia. Participação e empowerment não significam ‘fazer com que as pessoas que vivem em situação de pobreza sejam responsáveis por saírem da pobreza’ que elas não criaram. Significa dar voz às pessoas e o desenvolvimento de um sistema de governança baseado, no respeito pelo diálogo contínuo com os stakeholders a nível nacional e europeu, que tenham em consideração as suas preocupações e soluções.

QUATRO MENSAGENS-CHAVE 

1. A pobreza, a exclusão social e as desigualdades continuam a ser o desafio chave da UE.

 2. Não “descartem” os compromissos assumidos – cumprir a meta de redução da pobreza da Estratégia 2020.

 3. O Pilar Europeu dos Direitos Sociais constitui um novo recomeço – mas será que é adequado para os fins a que se propõe?

4. A participação das pessoas em situação de pobreza e as organizações da sociedade civil que as representam é fundamental!


 A pobreza, a exclusão social e as desigualdades continuam a ser o desafio chave da UE 
122,3 Milhões de pessoas na União Europeia estão em risco de pobreza e exclusão social devido à atual abordagem de 'austeridade' e recuperação económica desequilibrada. A crise das Migrações combina uma série de crises que a UE tem vindo a registar. Em vez de se criar uma competição entre os pobres, é urgente abordar as desigualdades e combater a evasão e a fraude fiscal, para que a riqueza possa ser canalizada para o investimento em serviços públicos e sistemas de proteção social de qualidade, capazes de garantir que as necessidades de todos são satisfeitas. Temos de combater a pobreza e não combater os 'pobres'. Exortamos os decisores políticos a assumirem a responsabilidade das suas escolhas políticas, em vez de culparem a crise económica. Para inverter esta tendência:
 As políticas macroeconómicas devem ser colocadas em igualdade com os objetivos sociais e ao serviço da coesão e da inclusão social.
 A política social deve ser vista como um investimento, não um custo e como um pré-requisito para um crescimento com qualidade e inclusão social.

 Não “descartem” os compromissos assumidos – cumprir a meta de redução da pobreza da Estratégia 2020
 As metas e os objetivos da Estratégia Europa 2020 devem ser recolocadas no centro do Semestre Europeu, com secções específicas nos PNR vinculados à meta da pobreza da Europa 2020 e a outras metas sociais, bem com CSRs sobre pobreza para todos os países e um renovado empenho em alocar 20% do FSE à meta redução da pobreza
Restaurar a confiança na Europa 2020 e Semestre Europeu, levando a sério os objetivos e fazendo pressão para a sua implementação nos restantes 4 anos. A inclusão das preocupações sociais mos relatórios nacionais deve ser traduzida num verdadeiro compromisso e ações específicas para abordar a pobreza, a exclusão e as desigualdades.
 Desenvolver estratégias integradas de combate à pobreza que visem todos os grupos, de forma a lidar com a multidimensionalidade deste fenómeno, baseadas na Inclusão Ativa integrada (mercados de trabalho inclusivos, apoio adequado ao rendimento, acesso a serviços de qualidade), ligadas a estratégias temáticas para grupos de risco.

 O Pilar Europeu dos Direitos Sociais constitui um novo recomeço – mas será que é adequado para os fins a que se propõe?
 O Draft do Pilar Social é uma proposta abrangente com mais de 20 domínios políticos, alicerçado numa abordagem baseada nos direitos. No entanto, a EAPN está preocupada que a proposta de rever toda a legislação social possa reduzir, em vez de reforçar, os direitos sociais na Europa. Não será alcançado progresso a menos que o quadro político da UE se torne mais social, sendo necessárias mais medidas pró-ativas para que esta Iniciativa funcione e obtenha resultados positivos. A EAPN congratula-se com a proposta e procurará participar ativamente a nível nacional e europeu na consulta pública lançada em março.
 Traduzir o Pilar Social numa Estratégia Europeia de combate à pobreza integrada e baseada nos direitos, incluindo o progresso nos mínimos sociais da UE, começando com a Diretiva do Rendimento Mínimo.
 Garantir que este não seja minado por uma política contínua de austeridade, cortes e recuperação desequilibrada e que o apoio político e financeiro está disponível para implementar esta iniciativa.

 A participação das pessoas em situação de pobreza e as organizações da sociedade civil que as representam é fundamental!
 O efetivo envolvimento das pessoas que vivenciam a pobreza e as organizações da sociedade civil em todas as fases da elaboração de políticas, particularmente no âmbito do quadro do Semestre Europeu é crucial e deve demonstrar o impacto político.
 Lançar um processo para desenvolver diretrizes e indicadores comuns para medir a eficácia do diálogo entre os stakeholders, monitorizadas e reavaliadas anualmente através do Semestre Europeu.
 Apoiar a organização de Encontros Europeus de pessoas que vivem em situação de pobreza, como um momento-chave para envolver os beneficiários e obter o seu feedback direto sobre os processos políticos, para garantir a legitimidade, pertença, credibilidade e eficácia das políticas sociais.

 Para mais informações ver:
 EAPN Response to the Annual Growth Survey & Joint Employment Report 2016 (www.eapn.eu)
 EAPN Assessment of NRPs 2015: Can the Semester Deliver on Poverty and Participation? (www.eapn.eu)
 Key Messages from the 14th European Meeting of People Experiencing Poverty (www.voicesofpoverty-eu.net)

EUROPEAN ANTI-POVERTY NETWORK.
A reprodução é permitida, desde a fonte seja devidamente citada. Março de 2016
 Esta publicação teve o apoio financeiro do programa da União Europeia para o Emprego e a Inovação Social "EaSI" (2014-2020). Para mais informações consultar: http://ec.Europa.eu/social/EASi. Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa agindo em nome da Comissão pode ser responsabilizada pelo uso de qualquer informação contido nesta publicação. Para qualquer reprodução de fotos que não estão no âmbito da Europeia Union copyright, deve ser procurada permissão de direitos diretamente os autores.

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Viana do Castelo


Os maus tratos nas pessoas idosas: pistas de intervenção e prevenção
CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
 Prevalência dos maus tratos aos idosos em Portugal e na Europa;
 Fatores de risco;
 As diferentes formas de maus tratos nas pessoas;
 Diferentes contextos: maus tratos familiares, domésticos, institucionais, estruturais;
 Diferentes modelos de intervenção, de detecção e de prevenção;
 Desenvolvimentos de estratégias a aplicar no contexto de trabalho.
OBJETIVO GERAL
 Sensibilização e informação sobre os maus tratos aos idosos
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Capacitação dos profissionais para a implementação de estratégias de prevenção de maus tratos
 Detecção precoce de maus tratos e intervenção de acordo com as suas diferentes formas e contextos
METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO E AVALIAÇÃO
 Método expositivo e ativo, trabalho de grupo com análise de casos;
 Avaliação através de trabalho de grupo e desenvolvimento de estratégias de intervenção
(visualização de filmes e “rôle-playing”)
DIAS 30 / 31 Março 2016
HORÁRIO 10.00h -13.00h / 14.00h -17.00h
DURAÇÃO 12 horas
LOCAL EAPN Viana do Castelo – Rua Salvato Feijó - Torre “Active Center”, 1º Andar Loja AA Viana do Castelo
INSCRIÇÃO Associados/as da EAPN Portugal: 30€ // Não associados/as: 50€
PÚBLICO-ALVO Profissionais da área social / estudantes / outros interessados no tema
ÁREA DE FORMAÇÃO 762 – Trabalho Social e Orientação
MODALIDADE DE FORMAÇÃO contínua/ de atualização
FORMA DE ORGANIZAÇÂO Formação presencial.
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados/as da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença em pelo menos 80% do total da duração da ação
FORMADORA Patrícia Paquete, Terapeuta Ocupacional, doutoranda em Saúde Pública na Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa – UNL.
INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Ficha de Inscrição em anexo // A Ficha de Inscrição pode ser fotocopiada.
Após confirmação da sua inscrição e da efectiva realização da acção de formação, o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária, numerário ou cheque (à ordem de EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, Associação).
As inscrições são limitadas a 18 participantes e devem ser realizadas até ao dia 28 Março 2016 para:
EAPN Viana do Castelo – Rua Salvato Feijó - Torre Active Center, 1º Andar Loja AA Viana do Castelo
Correio electrónico: vianadocastelo@eapn.pt (meio preferencial)
Telefone: 258817034

A CRISE DOS REFUGIADOS NA EUROPA


A CRISE DOS REFUGIADOS NA EUROPA

 Reação da EAPN Portugal (Março 2016)

 A Europa parece só ter acordado para a crise vivida pelos refugiados na primavera/verão de 2015, com o aumento do fluxo de refugiados a chegarem a Europa via Mediterrâneo e, consequentemente, o aumento de notícias sobre as mortes decorrentes desse processo. Ao contrário do esperado, o inverno não trouxe o abrandamento do fluxo de refugiados e o fecho das fronteiras por vários Estados-Membros veio agravar a situação dos refugiados na Europa.
No início de março o ACNUR - – Alto Comissariado da ONU para os Refugiados - lançou o alerta de iminência de uma crise humanitária, nomeadamente na Grécia onde no fim de fevereiro existiam 24.000 refugiados com necessidades de alojamento. Esse comunicado reforça igualmente a falta de alimentos, água e de condições sanitárias, juntamente com um agravamento de tensões e da vulnerabilidade destes refugiados aos traficantes.
 Inicialmente o Governo Português assumiu o compromisso de acolher, num período de dois anos, uma quota de 4295 refugiados recolocados (refugiados que já se encontram em países membros da União Europeia) e 191 refugiados reinstalados (refugiados que se encontram em países terceiros). No início de 2016, o novo governo disponibilizou-se a acolher mais 5.800 refugiados. No entanto, até ao momento, Portugal recebeu apenas 149 refugiados recolocados – sendo que 64 destes refugiados chegaram apenas no início de março.


 Posição da EAPN Portugal 
• Defendemos a importância de garantir a proteção internacional a todas as pessoas que cumpram os requisitos definidos na Lei de Asilo , e em consonância com a Convenção de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados . Sublinhamos a importância de, no atual contexto de crise económica e social, mantermos acesos os valores da solidariedade e defesa dos direitos humanos face a todas as pessoas que precisam de proteção internacional, independentemente da sua raça, religião, nacionalidade, filiação em certo grupo social ou das suas opiniões políticas, e de um maior ou menor esforço económico e social para garantir o seu acolhimento e integração.

 • Congratulamos o novo Governo pela disponibilidade apresentada para aumentar o número de refugiados acolhidos em Portugal nos próximos dois anos, no âmbito da Agenda Europeia da Migração, através dos mecanismos de recolocação.

• Consideramos muito positivo o facto dos partidos políticos com assento parlamentar demonstrarem coesão face à necessidade de acolhimento e proteção dos refugiados e não adotarem discursos populistas que promovem sentimentos xenófobos e/ou islamofóbicos na sociedade portuguesa.

• Consideramos importante que a Europa invista na educação intercultural e promova o diálogo inter-religioso, como forma de garantir que a multiculturalidade associada aos fenómenos migratórios seja um factor de enriquecimento da sociedade europeia.

 • Consideramos igualmente positivo a solidariedade e a capacidade demonstrada pela sociedade civil portuguesa em se organizar para o acolhimento destes refugiados. Destacamos aqui a constituição e a intervenção promovida pela PAR – Plataforma de Apoio aos Refugiados , da qual a EAPN Portugal é membro fundador.

 • Defendemos que o esforço de recolocação dos refugiados que já se encontram nos Estados-Membros da UE deve ser acompanhado de um esforço na promoção de respostas duradouras e dignas para refugiados que se encontram em países terceiros, através dos mecanismos de Reinstalação.

• Consideramos que, se a União Europeia e os seus Estados Membros tivessem Programas de Reinstalação mais céleres e mais generosos seria possível diminuir a pressão vivenciada em países de primeiro acolhimento. Um processo de reinstalação que permitisse fazer face às atuais necessidades de acolhimento dos refugiados permitiria a existência de canais formais de acolhimento destes refugiados na Europa e, desta forma, diminuiria a pressão para a procura de canais alternativos que alimentam máfias e colocam em causa a segurança destas pessoas.

 • Reiteramos a reação do ACNUR que sublinha os riscos de processos de repatriamento em massa para um terceiro país sem as garantias de proteção aos refugiados previstas no direito internacional . As notícias apontam também para a colocação dos refugiados que insistam em entrar na Europa de forma ilegal “no fim da lista” para reinstalação como forma de desincentivar o recurso às redes de tráfico. Consideramos importante criar estratégias para lutar contra as redes de tráfico, mas consideramos inaceitável a constante revitimação dos mais vulneráveis.

 • Consideramos negativo que exista uma diferença entre o conceito de família utilizada na Lei do Asilo e a utilizada no regime de estrangeiros (Lei nº 23/2007 de 4 de Julho, alterada pela Lei n.º 29/2012, de 9 de agosto e pela Lei n.º 63/2015 de 30 de junho), o que leva a que os refugiados tenham uma definição mais restrita de membros de família e, desta forma, se limite a capacidade de reagrupamento familiar deste grupo.

 • É essencial um forte investimento na inclusão dos refugiados em Portugal. Apesar do acesso aos direitos ao emprego, formação, saúde e segurança social estarem legalmente assegurados, é importante garantir as condições necessárias para uma integração de facto destes refugiados. Deve-se ter em conta não só as especificidades e vulnerabilidades desses grupos, mas também as próprias fragilidades existentes em Portugal, como, por exemplo, um sistema de proteção social que não garante condições dignas de vida a pessoas com insuficiência económica, mercado de trabalho pouco inclusivo, entre outros. Como tal, uma melhor inclusão de grupos tão vulneráveis como os refugiados está intrinsecamente associada a uma maior capacidade de luta contra a pobreza e exclusão social em Portugal. A existência de uma Estratégia Nacional de Luta contra a Pobreza é essencial se quisermos garantir a inclusão dos refugiados a médio e longo prazo.

http://www.refugiados.pt
http://www.acnur.org/…/acnur-expressa-preocupacao-sobre-o-…/

 fotografia: UNICEF

ACONTECEU NO NÚCLEO DISTRITAL DE SANTARÉM


« No âmbito do Projeto de Luta Contra a Pobreza nas Escolas, o Núcleo Distrital de Santarém esteve presente no Agrupamento Alexandre Herculano, mais precisamente na EB/JI dos Combatentes com as turmas de 3º e 4º ano.
Neste sentido e no período da tarde realizamos a 1ª do total de 3 sessões de sensibilização assentes nos pilares da Empatia, como Uma Estratégia Positiva no Relacionamento com o Outro.
Foi de facto uma tarde intensa de ...partilha, de diversão e de Empatia Mútua.
Aproveitamos a oportunidade para agradecer à direção, aos professores, bem como às auxiliares por toda a disponibilidade e atenção para com a nossa equipa, que foram de facto o Alicerce Empático deste encontro tão próspero.
A próxima sessão será já no início do 3º período e esperamos voltar a contar com o sorriso simpático e com a alegria contagiante de todos (as). »

+ INFO:
Ricardina B. Dias
Técnica do Núcleo Distrital de Santarém
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza
santarem@eapn.pt
Rua Prior do Crato, nº 2 ,
2005-364 Santarém
Telefone: 00351 243306279;
www.eapn.pt

Encontro Inovação Social no terceiro Setor - Como Criar o Diferente?


Encontro Inovação Social no terceiro Setor - 
Como Criar o Diferente?


« Vivemos numa sociedade em permanente dinâmica e como tal surgem constantemente novos desafios à inovação social os quais colocam cada vez mais às entidades do Terceiro Setor e a outros atores fundamentais a necessidade de inventar e (re)inventar) novas estratégias, feramentas e metodologias que contribuam de forma efetiva e eficaz para a sua resolução, o que requer cada vez mais uma postura criativa e ino...vadora, a arte de criar o diferente! Conscientes destes novos desafios propomo-nos realizar o Encontro “Inovação Social – Como omo Criar o diferente? através do qual pretendemos contribuir para a capacitação dos participantes bem como para o estímulo da sua criatividade nas respostas a desenvolver aos novos desafios. Neste Encontro os participantes poderão conhecer em maior detalhe os novos apoios à Inovação e ao Empreendedorismo Social no âmbito do Portugal 2020, tanto a nível nacional quanto a nível local, bem como refletir sobre a importância da Inovação Social, adquirir novos conhecimentos, partilhar experiências e envolver-se num debate vivo e ativo. Os participantes irão também poder participar num Workshop sobre a construção de projetos de inovação social que lhes permitirá o contacto com as etapas e instrumentos necessários à implementação das práticas de Inovação e Empreendedorismo Social.
+ info:
Maria José Guerreiro
Técnica do Núcleo Distrital de Évora
evora@eapn.pt
EAPN Portugal / Rede Europeia Anti-Pobreza
Urbanização Vila Lusitano - Rua Frei José Maria, n.º 25
7000 - 244 Évora
Tel. 266731141 Fax 266747955
www.eapn.pt

sexta-feira, 18 de março de 2016

ACONTECEU NO NÚCLEO DISTRITAL DE SANTARÉM


«A técnica do Núcleo Distrital de Santarém, Ricardina Dias, foi convidada pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude, IP-DRLVT -Serviços Desconcentrados de Santarém para fazer parte do júri do concurso EUROSCOLAS, este ano subordinado ao tema "União Europeia: Unidos na Diversidade".
Este Concurso é organizado, a nível nacional, pelo IPDJ,I.P. e pelo Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal, com a participação da Assembleia da República e das Direções Regionais d...a Juventude dos Açores e da Madeira.
O objetivo do Concurso é selecionar as Escolas que irão participar nas Sessões EUROSCOLA, no Parlamento Europeu, em Estrasburgo. As escolas vencedoras da Sessão Nacional só poderão participar nas sessões em Estrasburgo no primeiro semestre de 2016.
Nesta edição ganhou o trabalho do Colégio de São Miguel de Fátima.»

+ info:
Ricardina B. Dias
Técnica do Núcleo Distrital de Santarém
EAPN Portugal/Rede Europeia Anti-Pobreza
santarem@eapn.pt
Rua Prior do Crato, nº 2 ,
2005-364 Santarém
Telefone: 00351 243306279;
www.eapn.pt

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Aveiro



AÇÃO DE FORMAÇÃO, Viana do Castelo



Formas de avaliação e de intervenção 
em pessoas com demências
O aumento do número de pessoas com demência a residir em instituições de longa duração, e a gradual diminuição dos recursos económicos das instituições, faz-nos refletir sobre a melhor forma de melhorar a qualidade dos serviços prestados, e consequentemente da qualidade de vida das pessoas com demência. Este objectivo apenas será no entanto atingido através da capacitação dos técnicos e ajudantes de ação direta, devendo esta capacitação incidir não apenas em conhecimentos práticos e aplicáveis no local de trabalho, mas também em ferramentas para a resolução dos problemas.
CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
• Descrição dos diferentes tipos de demência
• Diferentes abordagens na demência
• A Abordagem psicossocial
• As necessidades das pessoas com demência
• O que avaliar, como avaliar (que instrumentos utilizar)
• Avaliar para… intervir?
• A intervenção baseada na abordagem psicossocial
• Diferentes técnicas de intervenção direta com pessoas com demência: Intervir para quê?
• Diferentes técnicas de intervenção indireta: Modelagem/Formação/Ambiente
• Avaliação dos resultados obtidos com a intervenção
• Conclusões
OBJETIVO GERAL
Aprofundar os conhecimentos sobre os diferentes tipos de demência e o seu quadro clínico
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Desenvolver conhecimento prático sobre avaliação e intervenção em pessoas com demência
Incentivar nas instituições a adopção de práticas centradas na pessoa
METODOLOGIAS DE FORMAÇÃO E AVALIAÇÃO
Métodos expositivos e ativos (visualização de filmes e role-playing)
DIAS 6, 7, 13, 14 Abril 2016
HORÁRIO 10.00h -13.00h / 14.00h -17.00h
DURAÇÃO 24 horas
LOCAL EAPN Viana do Castelo – Rua Salvato Feijó - Torre “Active Center”, 1º Andar Loja AA Viana do Castelo
INSCRIÇÃO Associados/as da EAPN Portugal: 60€ ::: Não associados/as: 100€
PÚBLICO-ALVO Profissionais da área social / estudantes / outros interessados no tema
ÁREA DE FORMAÇÃO 762 – Trabalho Social e Orientação
MODALIDADE DE FORMAÇÃO contínua/ de atualização
FORMA DE ORGANIZAÇÂO Formação presencial.
CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados/as da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença em pelo menos 80% do total da duração da ação
FORMADORA Patrícia Paquete, Terapeuta Ocupacional, doutoranda em Saúde Pública na Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa – UNL.
INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES Ficha de Inscrição em anexo // A Ficha de Inscrição pode ser fotocopiada.
Após confirmação da sua inscrição e da efectiva realização da acção de formação, o pagamento deverá ser efetuado por transferência bancária, numerário ou cheque (à ordem de EAPN – Rede Europeia Anti-Pobreza/Portugal, Associação).
As inscrições são limitadas a 18 participantes e devem ser realizadas até ao dia 1 Abril 2016 para:
EAPN Viana do Castelo – Rua Salvato Feijó - Torre Active Center, 1º Andar Loja AA Viana do Castelo
Correio electrónico: vianadocastelo@eapn.pt (meio preferencial)
Telefone: 258817034

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Vila Real


Fórum “Colaborar para co- construir”






« A EAPN Portugal - Núcleo Distrital de Viseu irá desenvolver em parceria com o Município e a CPCJ de Carregal do Sal no próximo dia 13 de abril o Fórum “Colaborar para co- construir”. Os objetivos centrais são a apresentação do protocolo existente ao nível nacional entre a EAPN Portugal e a CPCJ e a identificação de domínios e metodologias de colaboração entre as CPCJs do distrito de Viseu e a EAPN Portugal- Núcleo Distrital de Viseu.
+ INFO:
José Machado...
Técnico do Núcleo Distrital de Viseu da EAPN Portugal
EAPN / Portugal- Rede Europeia Anti Pobreza
viseu@eapn.pt
Rua Dr. Cesar Anjo, Lote 2 R/C F
3510-009 VISEU
Telefone:232468472 Fax:232468474
www.eapn.pt

Ver Mais

ACONTECEU NO NÚCLEO DISTRITAL DA GUARDA




«O Núcleo Distrital da Guarda em parceria com o CLDS 3G Almeida “DesEnvolver de mãos dadas” organizou no passado dia 15 de março, no Espaço Trocas, na Cabreira, concelho de Almeida, o Ciclo de Conversas “Técnicos Inspirados = Instituições Felizes”. Esta conversa informal e dinâmica teve a participação de 25 pessoas, colaboradores em 8 organizações de 4 concelhos.

+ INFO:
Cátia Azevedo
Técnica do Núcleo Distrital da Guarda
guarda@eapn.pt
EAPN Portugal / Rede Europeia Anti-Pobreza
Largo Paço do Biu, N.º 19
6300-592 Guarda
Telemóvel: 964 764 067
Telf: 00351 271 227 506 | Fax: 00351 271 227 507
www.eapn.pt
Ver Mais

quarta-feira, 2 de março de 2016

AÇÃO DE FORMAÇÃO, Viana do Castelo



 OS MAUS TRATOS NAS PESSOAS IDOSAS: 
Pistas de intervenção e prevenção

 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS
 Prevalência dos maus tratos aos idosos em Portugal e na Europa;
 Fatores de risco;
 As diferentes formas de maus tratos nas pessoas;
 Diferentes contextos: maus tratos familiares, domésticos, institucionais, estruturais;
 Diferentes modelos de intervenção, de detecção e de prevenção;
 Desenvolvimentos de estratégias a aplicar no contexto de trabalho.
 OBJETIVO GERAL
 Sensibilização e informação sobre os maus tratos aos idosos


 DIAS 30 / 31 Março 2016
 HORÁRIO 10.00h -13.00h / 14.00h -17.00h
 DURAÇÃO 12 horas
 LOCAL EAPN Viana do Castelo – Rua Salvato Feijó - Torre “Active Center”, 1º Andar Loja AA Viana do Castelo
 INSCRIÇÃO Associados/as da EAPN Portugal: 30€ // Não associados/as: 50€
 PÚBLICO-ALVO Profissionais da área social / estudantes / outros interessados no tema
 ÁREA DE FORMAÇÃO 762 – Trabalho Social e Orientação
 MODALIDADE DE FORMAÇÃO contínua/ de atualização
 FORMA DE ORGANIZAÇÂO Formação presencial.
 CRITÉRIOS DE SELEÇÃO Prioridade a associados/as da EAPN Portugal // Número de ordem de receção da inscrição
 CERTIFICADO DE FORMAÇÃO Presença em pelo menos 80% do total da duração da ação
 FORMADORA Patrícia Paquete, Terapeuta Ocupacional, doutoranda em Saúde Pública na Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa – UNL.

 As inscrições são limitadas a 18 participantes e devem ser realizadas até ao dia 28 Março 2016 para:

Núcleo Distrital de Viana do Castelo
Rua Salvato Feijó - Torre Active C enter, 1º Andar Loja AA Viana do Castelo
 Correio electrónico: vianadocastelo@eapn.pt
 Telefone: 258817034